Obtenção de Medicamentos Veterinários a partir de Nanopartículas Prata fixadas em Bases Poliméricas de Hidrogéis de Quitosana

Cofinanciado por:
Acrónimo | NAQUIBIODPSA
Designação do projeto | Obtenção de Medicamentos Veterinários a partir de Nanopartículas Prata fixadas em Bases Poliméricas de Hidrogéis de Quitosana
Código do projecto | ALT20-03-0247-FEDER-033578
Objetivo principal | Reforçar a Investigação, o desenvolvimento tecnológico e a inovação

Região de intervenção | Alentejo

Entidade beneficiária |
  • BRINOVA - Bioquímica, Lda.(líder)
  • Universidade de Évora(parceiro)

Data de aprovação | 25-05-2018
Data de inicio | 01-10-2018
Data de conclusão | 30-09-2021

Custo total elegível | 1423894.66 €
Apoio financeiro da União Europeia | FEDER - 1053201.54 €
Apoio financeiro público nacional/regional |

Resumo

Este projeto visa o desenvolvimento tecnológico de novas nanopartículas à base de quitosana e prata para uso como produtos auxiliares na cicatrização de feridas em cães. Assim, estes produtos serão direcionados para a indústria veterinária, a saber: Medicamentos Veterinários (MV) e Produtos de Uso Veterinário (PUV), usando hidrogéis de quitosana com nanopartículas de prata é uma maneira única e efetiva de resolver este problema.


Objetivos, atividades e resultados esperados/atingidos

O projeto n.º 33578 – NAQUIBIO DPSA tem por objetivo o desenvolvimento tecnológico de uma base polimérica hidrogeis de quitosano com nanopartículas prata, para aplicação como base de produção de novos produtos (medicamentos) veterinários para tratamento de feridas em animais. Para aferir a eficácia e segurança dos produtos desenvolvidos, serão planeadas e executadas um conjunto de análises e bioensaios (in silico, células, ratos e animais), a desenvolver de acordo com os cadernos encargos legais que conduzem à autorização para introdução no mercado europeu de medicamentos veterinários.

Os hidrogéis serão obtidos por reticulação (crosslinking) com um agente reticulante adequado e compatível. As nanopartículas prata serão preparadas por síntese em meio aquoso e posteriormente estabilizadas com um derivado de Quitosano. Serão avaliadas as metodologias de preparo, estabilidade, propriedades físico-químicas, bem como a microestrutura, morfologia e cristalinidade dos hidrogéis preparados, bem como, a incorporação de outros ativos; biocompatibilidade; citotoxicidade; e a viabilidade celular em culturas células.

O Consórcio de I&D é constituído por uma empresa, a BRINOVA, que é a empresa-líder, e por uma entidade não empresarial, a Universidade de Évora, reunindo as competências técnicas e científicas para o desenvolvimento do mesmo.