Ferramentas de apoio à decisão para melhoria da gestão do bloco operatório

Cofinanciado por:
Acrónimo | ImproveOR
Designação do projeto | Ferramentas de apoio à decisão para melhoria da gestão do bloco operatório
Código do projecto | PTDC/EGE-OGE/30442/2017
Objetivo principal | Reforçar a Investigação, o desenvolvimento tecnológico e a inovação

Região de intervenção | Alentejo, Lisboa

Entidade beneficiária |
  • Associação do Instituto Superior Técnico para a Investigação e o Desenvolvimento (Sigla: IST-ID) (líder)
  • Universidade de Évora(parceiro)

Data de aprovação | 06-07-2018
Data de inicio | 01-09-2018
Data de conclusão | 31-08-2021
Data de prorrogação | 28-02-2022

Custo total elegível | 239943 €
Apoio financeiro da União Europeia |
Apoio financeiro público nacional/regional | República Portuguesa - 239943 €

Resumo

A actividade cirúrgica contribui significativamente para o financiamento hospitalar, tem impacto

substancial noutras áreas do hospital e inclui aspectos de interesse e preocupação social aos quais as

populações são particularmente sensíveis. Em muitos países, governos e gestores hospitalares reconhecem

a importância de melhorar a eficiência e a qualidade na gestão dos blocos operatórios (BOs), salientando a

relevância de garantir serviços eficazes e tempos de espera aceitáveis. Em Portugal, foram vários os

governos que desenvolveram programas especiais de combate aos elevados tempos de espera para

cirurgia, apresentando actualmente o SIGIC duas metas principais: 90.4% dos pacientes operados dentro do

tempo máximo de resposta garantido, de acordo com o nível de prioridade; e um tempo médio de espera

inferior a 120 dias. Apesar das metas definidas pelo SIGIC e outras políticas para melhorar o acesso aos

cuidados cirúrgicos, muitos hospitais não respeitam estas metas e a pressão sobre o BO tem vindo a

aumentar com a tendência crescente da procura de cuidados cirúrgicos (p.ex. aumento de 46.6% entre

2006 e 2015 [ACSS16]).

A actividade no BO é bastante complexa pois envolve pessoal médico especializado, grande variedade de

equipamento e material, processos interrelacionados e complexos (com implicações e dependências a

montante e a jusante, entre recursos humanos e materiais), e envolve um nível elevado de variabilidade e

incerteza. Os modelos de optimização, baseados em programação matemática, têm um papel fundamental

no apoio aos gestores hospitalares, cirurgiões e outros intervenientes, quanto a decisões de planeamento e

escalonamento, embora haja ainda pouca literatura na área. Os modelos não são desenhados para

considerar múltiplos contextos cirúrgicos, e não consideram preferências e opiniões dos cirurgiões. Ora, se

os modelos não considerarem as perspectivas dos cirurgiões e outros intervenientes, não serão

implementados.

Uma equipa multidisciplinar de investigadores (do CEG-IST, CMAFCIO, CIDEHUS, CHLN e HESE) irá colaborar 

no desenvolvimento de ferramentas de apoio à decisão para melhorar a gestão do BO e preencher esta

lacuna. Nomeadamente, serão combinadas abordagens de optimização (baseadas em modelos de

programação matemática multi-objectivo), para apoiar decisões de planeamento de capacidade de

recursos, com estruturação de abordagens participativas (informadas por métodos de estruturação de

problemas e ferramentas multicritério de medição de valor) para compreender a opinião e preferências de

cirurgiões e outros intervenientes. Os modelos são desenhados e aplicados a dados de dois hospitais

portugueses, e mostram até que ponto será possível, simultaneamente, maximizar a satisfação dos

cirurgiões (e outros intervenientes), maximizar a utilização do BO, maximizar as receitas e a produção dos

hospitais, e cumprir as metas do SIGIC, fornecendo informações essenciais sobre como melhorar a 

eficiência, a qualidade e o acesso na gestão do BO.


Objetivos, atividades e resultados esperados/atingidos

The ImproveOR project proposes decision support tools aiming to improve efficiency and quality in the OR

management.

 

 

The ImproveOR project is structured in five main tasks:

Task 1: Surgical processes reengineering

Task 2: Stakeholders’ preferences modeling

Task 3: Case mix planning and master surgery scheduling

Task 4: Elective surgery scheduling

 Task 5: Results dissemination