Outras Infraestruturas

O BigData@UE é um laboratório computacional de alto desempenho para análise de big data , com o objectivo de prestar serviços de investigação e inovação não só à região do Alentejo, mas também a nível nacional e internacional.

O Laboratório é uma infra-estrutura tecnológica de última geração, equipada com um sistema computacional de alto desempenho, e especializada na implementação de abordagens de aprendizagem automática, nomeadamente, nas mais recentes metodologias de deep learning, baseadas em redes neuronais multi-camada. Enquadra-se num Centro de Valorização e Transferência de Tecnologia, com um foco principal na inovação e transferência de tecnologia nas áreas de inteligência artificial, sub-domínios aprendizagem automática e big data .

O Laboratório tem como objetivos desenvolver e avaliar novas arquiteturas de redes neuronais profundas, criar modelos retrospetivos e prospetivos para domínios específicos e efetuar a sua transferência para a comunidade.

A infraestrutura consiste na criação de um Business Lab que visa a promoção da inovação e da transferência de tecnologia e conhecimento que atendam às especificidades do mercado. O modelo de gestão da infraestrutura é assegurado pela Unidade de Investigação Centro de Estudos e Formação Avançada em Gestão e Economia da Universidade de Évora – CEFAGE, com o apoio do Gabinete de Apoio à Inovação, Transferência, Empreendedorismo e Cooperação – GAITEC.

Esta infraestrutura surge como o suporte físico para as infraestruturas tecnológicas essenciais no aumento da intensidade tecnológica, no crescimento económico e no fomento da capacidade empreendedora. Estas ações têm como objetivos gerais: incrementar uma nova geração de empreendedores na região, nomeadamente ao nível dos alunos das escolas secundárias; aumentar o número de start-ups na Universidade; e criar laboratórios de transferência de conhecimento e tecnologia em áreas chaves da região, promovendo, assim, a divulgação de resultados de investigação com potencial de aplicação de negócio.

Este projeto resulta da colaboração entre a Administração dos Portos de Sines e do Algarve, a Câmara Municipal de Sines e a Universidade de Évora, através da qual estão envolvidos o MARE - Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, o Instituto de Ciências da Terra e o Laboratório Hercules – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional.

A infraestrutura de investigação e inovação do CIEMAR destina-se a atividades de investigação científica, desenvolvimento tecnológico e inovação, incluindo a transferência de conhecimento científico e tecnologia para empresas e outros agentes económicos, sociais e governamentais, com destaque para a ecologia, gestão e conservação de ecossistemas e recursos costeiros, avaliação e monitorização do impacte ambiental de obras marítimas e atividades humanas, e novas áreas de atuação, como a aquacultura marinha experimental e o estudo de caraterísticas geológicas e hidrográficas do fundo submarino, do risco tsunamigénico e sísmico da margem atlântica, da captação da energia do mar, do transporte sedimentar costeiro, de monitorização com vista à definição de modelos de circulação atmosférica, e de levantamento, proteção e valorização do património cultural subaquático.

Tem por objetivos a investigação e o fortalecimento da cooperação entre Universidades e os sistemas de Proteção civil no apoio à prevenção e combate aos Incêndios florestais na Andaluzia e no Sul de Portugal. Inclui um plano comum de investigação, formação e sensibilização a desenvolver nas regiões Andaluzia, Algarve e Alentejo.

Esta infraestrutura dá resposta às necessidades da indústria na região Alentejo nos setores da Aeronáutica, Metalomecânica, Semicondutores e Energia. Com a urgência criada pela instalação de empresas multinacionais de alta tecnologia, as atividades prioritárias da infraestrutura IDEIA são os estudos, ensaios, prestação de serviços e prototipagem de processos produtivos. Especificamente, e numa primeira fase, o esforço está a ser concentrado no estudo do fabrico de peças em materiais compósitos nas várias variantes dos processos relevantes para as empresas da região, numa lógica de cooperação e transferência de tecnologia para as empresas. Numa segunda fase, a atividade da Infraestrutura será alargada para outros setores como a Energia. A infraestrutura será gerida pelo INEGI-Alentejo, resultado da colaboração entre o Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial (INEGI) e a Universidade de Évora.

Esta infraestrutura  contribui para o incremento da capacidade de transferência tecnológica e de conhecimento para a atividade económica e empresarial, no seguimento da atividade já existente com empresas de material eletrónico e de defesa e valorização de Património, mas sobretudo com todo o tecido empresarial no sector das Pedras Ornamentais.

Por forma a aumentar a sua intervenção no tecido económico da Pedra Ornamental, a infraestrutura LITHOS reorganiza as suas competências cimentando-as num front office que permitirá mostrá-las de forma integrada. Esta unidade de promoção articula as atividades do Laboratório de Ensaios Mecânicos, do Instituto de Ciências da Terra e do Laboratório HERCULES. Por outro lado, amplia as competências laboratoriais do Laboratório do Ensaios Mecânicos e do Laboratório HERCULES, no que concerne a atividades de apoio à Investigação, Desenvolvimento e Inovação com empresas do sector das Rochas Ornamentais.

Perante a crescente necessidade de uma maior competitividade e sustentabilidade das empresas agrícolas, que passa nomeadamente pela redução dos custos de produção a vários níveis, uma rega mais eficiente e práticas de maneio do solo capazes de reduzir as perdas de água por evaporação são aspetos fundamentais. A investigação necessária para alicerçar estes aspetos dispõe agora de um campo experimental em agricultura de regadio, sobre a orientação do Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento (MED).
A interligação entre agricultura e ambiente, cada vez mais importante, implica a compreensão das interações solo-planta-ambiente, pelo que esta nova infraestrutura conta também com um sistema cromatográfico acoplado a espectrometria de massa, essencial para o estudo de compostos voláteis e a compreensão destas interligações.
A Universidade de Évora tem vindo a desenvolver projetos de investigação e de transferência de tecnologia nestas áreas, sendo que através desta infraestrutura se potencia a transferência tecnológica e de conhecimento para as empresas e a sociedade.