Reconhecimento de Graus Estrangeiros

O reconhecimento automático permite reconhecer genericamente um grau ou diploma de ensino superior estrangeiro, cujo nível, objetivos e natureza sejam idênticos aos graus portugueses de licenciado, mestre e doutor ou de diploma de técnico superior profissional, que conste do elenco de graus e diplomas fixado pela comissão de reconhecimento de graus e diplomas estrangeiros.

COMO REQUERER

Antes de requerer é necessário verificar no site da DGES  se o reconhecimento automático  se aplica ao seu Grau/Diplomas e se o seu grau consta da seguinte tabela . Caso isso aconteça, o reconhecimento pode ser requerido em qualquer Instituição de Ensino Superior Pública Portuguesa, desde que esta ofereça o grau que pretende reconhecer ou na Direção-Geral do Ensino Superior, através do preenchimento de formulário online  e apresentação de documento comprovativo do grau ou diploma atribuído, nomeadamente um dos seguintes documentos :

  • Cópia do Diploma ou de documento emitido pela instituição de ensino superior  estrangeira comprovativo da titularidade do grau ou diploma para o qual é requerido o reconhecimento, autenticada pelas autoridades competentes para o efeito;
  • Cópia simples de documento emitido pela instituição de ensino superior estrangeira em que conste número de registo de grau ou diploma, no caso das instituições de ensino superior estrangeiras que disponham de registos centralizados passíveis de consulta pública através de identificador único;
  • Diploma ou certificado emitido pela instituição de ensino superior  estrangeira, em versão original, comprovativo da titularidade do grau ou diploma para o qual é requerido o reconhecimento.

Se o grau que pretende reconhecer for um grau de Mestre ou Doutor , deve apresentar adicionalmente:

  • Cópia digital ou digitalizada da dissertação defendida ou do trabalho de projeto, ou do relatório de estágio, no caso de grau ao nível de mestre;
  • Cópia digital ou digitalizada da tese defendida, excetuando quando esta tenha sido substituída por outros trabalhos de investigação, obras ou realizações artísticas, caso em que devem ser entregues em formato digital ou digitalizado os elementos apropriados para conhecer o teor da investigação realizada e as fundamentações que explicitem o processo de conceção e elaboração, a capacidade de investigação, e o seu enquadramento na evolução do conhecimento no domínio em que se insere, no caso de grau ao nível de doutor.

Se para além do reconhecimento pretender a Conversão da Classificação Final para a Escala Portuguesa  deve ainda apresentar:

  • Documento emitido pela instituição de ensino superior estrangeira com indicação da classificação final atribuída ao grau académico ou diploma para o qual é requerido o reconhecimento, e;
  • Documento comprovativo da escala de classificação final estrangeira e da classificação mínima a que corresponde aprovação nessa escala.

O pedido de reconhecimento só é analisado após pagamento dos emolumentos . Os emolumentos pagos não são reembolsáveis.

 

PRAZOS

Este procedimento é realizado no prazo máximo de 30 dias úteis a contar da data da receção do requerimento devidamente instruído. Considera-se que o requerimento está devidamente instruído após confirmação da receção do pagamento dos emolumentos.

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

A Universidade de Évora exige que toda a documentação emitida por instituições de ensino superior estrangeiras esteja reconhecida pelo agente consular português local ou legalizados pelo sistema de Apostila nos termos da Convenção relativa à Supressão da Exigência da Legalização de Atos Públicos Estrangeiros (Convenção de Haia) .

Toda a documentação entregue para a instrução do processo, emitida pela instituição de ensino superior estrangeira, que se encontre redigida numa língua estrangeira que não o espanhol, francês e inglês, deve estar acompanhada da respetiva tradução para português, devidamente certificada pelas autoridades competentes para o efeito.

A certificação acima descrita incide sobre o conteúdo da tradução e não apenas sobre as assinaturas dos intervenientes nos atos em causa.