2023

Governação Clínica

Nome: Governação Clínica
Cód.: ENF11056O
5 ECTS
Duração: 15 semanas/130 horas
Área Científica: Enfermagem

Língua(s) de lecionação: Português
Língua(s) de apoio tutorial: Português

Apresentação

compreender as aspectos principais da GC e a interligação da Governação clinica com toda a estrutura de governação das instituições de saúde, bem como a sua finalidade, que é a promoção da qualidade

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Objetivos de Aprendizagem

Saber o que é a Governação clinica


Saber os vários componentes da governação clinica


Compreender  os  pilares da governação clinica


Compreender a estrutura organizacional de suporte à governação clinica


Saber as competências dos vários intervenientes clínicos e gerenciais.


 


COMPETÊNCIAS:


Saberem  analisar os papeis dos intervenientes na governação clinica


Saberem definir os elementos estruturais que intervêm na governação clinica


Saberem como se operacionalizam os pilares da governação clinica


Saberem aplicar os princípios éticos à governação


 


 Saber o que é a Governação clinica


Saber os vários componentes da governação clinica


Compreender  os  pilares da governação clinica


Compreender a estrutura organizacional de suporte à governação clinica


Saber as competências dos vários intervenientes clínicos e gerenciais.


 


COMPETÊNCIAS:


Saberem  analisar os papeis dos intervenientes na governação clinica


Saberem definir os elementos estruturais que intervêm na governação clinica


Saberem como se operacionalizam os pilares da governação clinica


Saberem aplicar os princípios éticos à governação


 

Conteúdos Programáticos

A organização  e a governação clinica e a Liderança (os diferentes papeis)


Pilares da governação clinica


Envolvimento do doente.


Auditoria clínica.


Educação e formação.


Gestão da informação.


Gestão de Recursos


A eficácia clínica e pesquisa.


 Gestão de Risco.


Gestão do conhecimento


Do conhecimento para a ação


Aspetos Éticos da Governação


As comissões de ética nas instituições de saúde.


 


 

Métodos de Ensino

Relativamente às horas de contacto com o docente, o processo de ensino/aprendizagem será organizado com base em sessões letivas. Assim, o estudo individual tendo por base a bibliografia de trabalho, e outra que será da responsabilidade do aluno através da sua pesquisa orientada.


Os alunos participam na dinamização das sessões tanto individualmente como em pequenos grupos, e com base em recursos previamente distribuídos ou a pesquisar e também utilizando a sua experiência profissional. Haverá espaço para a discussão e análise de conceitos relativos às temáticas  e das suas implicações práticas.


A disciplina terá uma estrutura de permanente diálogo entre as temáticas abordadas pelo docente e o trabalho do aluno sobre as mesmas. Assim se procurará que os alunos co-construam a sua aprendizagem, utilizando os recursos disponíveis.


Espera-se, parte dos alunos, uma participação ativa ao longo desta etapa do seu processo de formação. Numa primeira fase serão apresentados os conceitos que darão suporte à reflexão sobre a temática em estudo.


O trabalho de pesquisa individual será organizado em redor de um conjunto de temáticas em que o aluno será levado a refletir, sobre as mesmas relacionando as compatibilidades entre as pesquisas e a realidade da sua instituição em particular ou do sistema de saúde de forma mais alargada.


Terão igualmente lugar Sessões tutorial e de autoestudo, em conformidade com as recomendações do Processo de Bolonha.


No final do semestre aplicar-se-á um questionário aos alunos para recolher dados sobre a avaliação da unidade. Será feita uma análise desses dados e uma reflexão, que constarão do relatório final da unidade curricular.


 


 


 

Bibliografia

-Braine, Mary. E. (2006). Clinical governance: applying theory to practice. Nursing Standard, January 25 : vo) 20 no 20.Recuperado de http://web.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?sid=6237b437-b408-4142-bf52-01e3ba52f489%40sessionmgr13&vid=2&hid=24 em 1 de Fevereiro 2013.


- Campos, L; Borges, M. & Portugal, R. (2009). Governação dos Hospitais. Casa das letras, Lisboa.


- Campos, L.; Saturno, P. & Carneiro, A. V. (2010).A qualidade dos cuidados e dos serviços. Lisboa: Faculdade de medicina da Universidade de Lisboa, Recuperado de  http://www.observaport.org/sites/observaport.org/files/Q2.pdf em 5/02/2013


- Costa, F. L. (2005). Efectividade e eficiência: médicos, gestores, informação e bom senso. Revista portuguesa de saúde Publica, Volume temático nº 5,


- Currie, L; Clare Morrell, C. & Scrivener, R. (2003). Cinical governance: an RCN resource guide. London:  Royal College of Nursing.


- Direcção Geral de saúde –departamento da Qualidade (2011).Estrutura Concetual da Classificação Internacional sobre Segurança do Doente. Lisboa: Autor. Recuperado de http://www.dgs.pt/ms/8/default.aspx?id=5521 em 4/02/2013.


-    Gerada, C. ;Cullen, R.(2004). Clinical governance leads: roles and responsibilities. Quality in Primary Care, 12:13–18.


 


-    Grol, R. ; Wensing, M. & Eccles, M. (2005). Improving Patient Care: The Implementation of Change in Clinical Pratice. Edinburg, Elsevier.


 – Logon , M. &Secker-Walker, J. Edts  (2001). Advancing Clinical Governance. London: Royal Medicine Press.


 


- Lopes, S. (2005). Efectividade e volume: uma aplicação a hospitais portugueses. Revista portuguesa de saúde Publica, Volume temático nº 5.  75-92.


 


 -  Michael Deighan, M. & Bullivant, J. (2006).  Integrated Governance Handbook:  A handbook for executives and non-executives in healthcare. Department of Health. Recuperado de organisationshttp://www.dh.gov.uk/prod_consum_dh/groups/dh_digitalassets/@dh/@en/documents/digitalasset/dh_4129615.pdf  em 4/02/2013


 


- Muir Gray, J. A. (1997). Evidence-Based Health care, New York; Churchil Livingstone


- Neves, M. C. (coor) (2002).  Comissões de Ética: Das bases teóricas à atividade quotidiana (2ªed). Coimbra; Gráfica de .Coimbra


 


-Reis, Vasco P. (2007). Gestão em saúde: Um espaço de diferença: Escola nacional de Saude publica.


 


- Straus, E. S.; Tetroe, J. & Graham, I. Editores (2009). Knowledge Translation in Health care : Moving from evidence to pratice. Oxford : Wiley-Blackwell.


 


 


- Worrall,  A. (ed).2001. Clinical Governance Support Service: promoting excellence in mental health and learning disability services. London:  Royal College of Psychiatrists.

Equipa Docente (2022/2023 )