2024

Geomorfologia aplicada à Arqueologia

Nome: Geomorfologia aplicada à Arqueologia
Cód.: GEO13679O
3 ECTS
Duração: 15 semanas/78 horas
Área Científica: Geografia

Língua(s) de lecionação: Português
Língua(s) de apoio tutorial: Português

Apresentação

Estudo da relação entre o sítio arqueológico e a paisagem enquanto resultante de processos internos e extrernos.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Objetivos de Aprendizagem

O módulo da geomorfologia aplicada á arqueologia permite ao estudante estabelecer a relação
entre o sítio arqueológico e a paisagem onde ele se encontra inserido, através das formas e
das feições do relevo identificadas, considerando a compartimentação da paisagem como
resultado de processos internos e externos da Terra, além da ação antrópica.
Pretende-se que os alunos adquiram, ou consolidem conhecimentos sobre conceitos
geomorfológicos fundamentais e compreendam a importância das características
geográficas/naturais na vida das comunidades humanas primitivas ou do passado mais
recente (Neolítico).
Pretende-se que os alunos desenvolvam competências no âmbito da cartografia
geomorfológica de grande pormenor e cortes geomorfológicos detalhados, cruzando diversa
documentação cartográfica em ambiente SIG.
Os alunos deverão ainda desenvolver um sentido crítico perante os principais problemas
encontrados nas abordagens e metodológias usadas.

Conteúdos Programáticos

Formas do relevo que suportam a paisagem (planície, planalto, depressão, escarpa, vertente),
leitura da paisagem através das características hipsométricas, forma das bacias e
propriedades da rede hidrográfica.
A dinâmica das vertentes, processos erosivos e produção de coluvião, interação das vertentes
com o sistema fluvial. Interação do sistema climático na dinâmica das vertentes e no sistema
fluvial.
Funcionamento do sistema fluvial, processos de agradação e incisão. A morfologia dos canais
fluviais. Significado da mudança da morfologia dos canais ao longo do tempo (influencias
climáticas, tectónicas e antrópicas). Principais controlos do sistema fluvial (variações do nível
de base, tectónica e clima). Formação de terraços fluviais.
Os terraços fluviais como arquivos de preservação de achados arqueológicos. Principais
problemas da utilização de achados arqueológicos para datação dos registos sedimentares.
A importância das datações absolutas na da

Métodos de Ensino

As aulas teórico-práticas sobre os principais conceitos e processos geomorfológicos associados às vertentes e aos processos fluviais poderão ser lecionadas à distância. Disponibilização das apresentações das aulas na plataforma moodle. Serão disponibilizados aos alunos documentos digitais para a elaboração de cartografia geomorfológica detalhada em ambiente ArcGis (ou outro) e de cortes geomorfológicos representativos de sítios com interesse arqueológico. A avaliação consta de realização de um trabalho prático autónomo de cartografia e perfis geomorfológicos (60%) e de uma componente teórico (40%). Os alunos dispõem ainda da época normal e de recurso para a realização da componente teórica.

Bibliografia

Pedro Proença Cunha, Antonio Martins, Jan-Pieter Buylaert, (2019). The Lowermost Tejo
River Terrace at Foz do Enxarrique, Portugal: A Palaeoenvironmental Archive from c. 60-35
ka and Its Implications for the Last Neanderthals in Westernmost Iberia. Quaternary 2019, 2 (1).
Goldberg, P. & Macphail, R. I. 2006. Practical and Theoretical Geoarchaeology. XII, 455 pp. :
Malden, Oxford, Carlton: Blackwell Publishing. Price £34.00 (paperback). ISBN 0 632 06044
1. https://doi.org/10.1017/S0016756809006128
López-Recio, M., Silva, P. G., Roquero, E., Cunha, P. P., Tapias, F., Alcaraz-Castaño, M.,
Baena, J., Cuartero, F., Morín, J., Torres, T., Ortiz, J. E., Murray, A. S., & Buylaert, J-P. (2015).
Geocronología de los yacimientos achelenses de Pinedo y Cien Fanegas (Valle del Tajo) e
implicaciones en la evolución fluvial en el entorno de Toledo (España). Estudios Geológicos,
71(1), [e029]. https://doi.org/10.3989/egeol.41816.340
António A. Martins, Pedro P. Cunha, Pierluigi Rosina, Luiz Osterbeek,